Imbróglio financeiro de R$ 40 mil em posto de combustível pode atrapalhar os planos de Valdeto em fazer seu sobrinho Leo Ferreira prefeito de Niquelândia

Imbróglio financeiro de R$ 40 mil em posto de combustível pode atrapalhar os planos de Valdeto em fazer seu sobrinho Leo Ferreira prefeito de Niquelândia

Aliados do atual prefeito de Niquelândia apontam o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Leo Ferreira, como sucessor natural do prefeito Valdeto Ferreira

Por Semaias Pereira 23/01/2018 - 12:24 hs
Foto: (reprodução)
Imbróglio financeiro de R$ 40 mil em posto de combustível pode atrapalhar os planos de Valdeto em fazer seu sobrinho Leo Ferreira prefeito de Niquelândia
Valdeto Ferreira, e o presidente da Câmara municipal de vereadores, Leo Ferreira, (tio e sobrinho)

O Portal de notícias primeiraedicao.online teve acesso exclusivo a um imbróglio financeiro envolvendo o prefeito municipal de Niquelândia, Valdeto Ferreira, e o presidente da Câmara municipal de vereadores, Leo Ferreira, (tio e sobrinho). Envolvendo um posto de combustível da cidade. 

Nossa reportagem tentou contato com a assessoria do prefeito, mas não teve resposta sobre a referida dívida envolvendo o gestor municipal. Quanto ao presidente da Câmara Municipal de vereadores, Leo Ferreira, atendeu gentilmente as ligações de nossa reportagem e confirmou a existência do debito com o posto de combustível. Segundo o vereador Leo Ferreira, a dívida fora contraída por ele e o seu tio em um período anterior as eleições municipais de 2016.  Afirmou ainda, se tratar de um débito pessoal, não havendo relação com a administração publica. 

SUCESSÃO ELEITORAL 

Aliados do atual prefeito de Niquelândia apontam o presidente da Câmara Municipal de Vereadores, Leo Ferreira, como sucessor natural do prefeito Valdeto Ferreira, caso ocorra novas eleições no município, o que é aguardado para o primeiro trimestre de 2018, graças ao processo de casacão da chapa que elegeu Valdeto Ferreira e Celino Correa, e está em fase final de julgamento no TSE. Estas afirmações tomam corpo se analisarmos os esforços feitos pelo prefeito quando da escolha do presidente da câmara dos vereadores em Niquelândia. Naquela oportunidade o que se via eram reuniões secretas e propostas inescrupulosas cujo teor desconhecemos, mas acredita-se que não eram os melhores para o bem comum de nossa cidade.

Desta afirmação se verifica que desde quando se candidatou o Prefeito Valdeto Ferreira tinha em mente que iria ser cassado e por esta razão se esforçou para fazer o seu sobrinho Leonardo Ferreira o PRESIDENTE da Câmara dos Vereadores.  Táticas como estas, embora advenha do meio político, se mostra imoral no ponto de vista geral da população, e, portanto, deve ser extirpada de nosso meio. Nosso povo tem que esta vigilante e insurgir contra estas posturas, pois na condição de presidente da câmara, Leo Ferreira, será o sucessor natural do prefeito e não há como se esperar uma conduta libada dele, pois não é razoável, que na condição de sobrinho, o mesmo tenha que tomar nota de qualquer outra malversação administrativa de Valdeto Ferreira sem insurgir-se contra o gestor do município, mas sim acobertá-lo.

Agora fica nítido o porquê o prefeito Valdeto Ferreira não mediu esforços para fazer o seu o seu sobrinho (Leo Ferreira) PRESIDENTE da câmara de vereadores de Niquelândia-Go. Bem antes de sua posse como prefeito eleito, manteve contatos na calada da noite com alguns vereadores. Naquela oportunidade, quando da eleição para o presidente da câmara, 04 dos 13 vereadores resistiram ao assédio feito pelo prefeito, dentre eles Eduardo Salgado, Saulo Adorno, vereadora Iris (esposa do Evaldo Rincon) e o vereador Meio Kilo, além do hoje vereador Erivaldo Mendanha (Piqui), que não havia assumido o mandato até então. 

Os atrasos do pagamento de servidores da prefeitura denotam um plano meticuloso da administração, ao passo que dá a conotação de que a perspectiva é angariar fundos para acertar com companheiros políticos mais a frente e viabilizar a candidatura do seu sucessor.

Este raciocínio tornou evidente quando se verificou junto ao portal da transparência de Niquelândia o empenho de mais de R$ 4.000.000,00 (QUATRO MILHÕES DE REAIS) para a empresa IRMÃOS FERREIRA, que se diga, de passagem veio acompanhado com um Decreto de Exoneração. Foi nesta oportunidade que nossa edição procurou junto à prefeitura para saber o porquê a empresa IRMÃOS FERREIRA não fora impedida de participar das licitações, já que a Lei Orgânica do Município proíbe que parentes até o terceiro grau do administrador e dos seus secretários participem de Processo Licitatório. A informação está em aberto, mas o próximo passo da nossa Edição será procurar a Procuradora Geral do Município e a presidente da comissão de licitação, já que o impedimento, por ser de ordem legal deveria ter sido observado por eles. 

Queremos tomar nota do processo licitatório em questão. Cremos que poderemos encontrar obstáculo, pois a mesma é sobrinha do prefeito, o que por ordem legal também é digna de impedimento quanto a sua nomeação, sob pena de se configurar nepotismo, a bem do que esclarecem a Súmula Vinculante n° 13 do Supremo Tribunal Federal. Todavia, acreditamos que a Lei de Informação prevalecerá, pois é dever da administração ser transparente e prestar contas dos seus atos de gestão.

ENTRE ALIADOS E SUCESSORES 

Para que os planos de fazer Leo Ferreira, prefeito de Niquelândia não seja contrariado, o prefeito Valdeto tem cuidado de perto de alguns dos seus principais aliados e, como bom adestrador, tem minado lhes ás forças políticas, não permitindo reação alguma contra sua má administração. 

Antes da posse de Valdeto Ferreira (prefeito de Niquelândia), e Celino Correa (vice), a cidade tinha como exemplos de vida pública, alguns vereadores, como Jesus Ferreira França e Amarildo Mulinari, hoje aliados e líderes do prefeito na câmara e fora. O ex-vereador, hoje secretário de agricultura, e alguns outros, estão acuados ou favorecidos, portanto, não tem interesse em insurgir contra a malversada praticada, o que é bem diferente da época de Luiz Teixeira, quando estes regozijavam aos quatro cantos da cidade. O que se passa? Perderam o folego? Ou de fato não estavam ao lado do povo.  A população local já tomou nota destes acontecimentos, tanto que o prestigio popular que detinham já se fora. Alias, diante do descaso com a população, todo aquele que permanecer ou aliar ao prefeito se tornará como galinha de ovos podres

Na próxima edição listaremos aqui àqueles que por participarem da atual gestão ou aliarem ao prefeito perderam o prestigio com os eleitores