Assassino de Raphaella tenta suicídio na cadeia

As informações são de que Misael teria tentado se enforcar com roupas ao menos 3 vezes. Delegada responsável negou as investidas

13/11/2017 - 19:18 hs
Foto: (divulção)
Assassino de Raphaella tenta suicídio na cadeia
Misael Pereira de Olair confessou o crime e prestou depoimento no Fórum da Comarca de Alexânia

Misael Pereira Olair, 19 anos, assassino confesso de Raphaella Novinski, 16 anos, adolescente brutalmente assassinada dentro de sala de aula, em Alexânia (GO), tentou suicídio dentro da cela em que está preso ao menos 3 vezes. A afirmação é de Joel Pires de Lima, advogado de Davi José de Souza, apontado como cúmplice de Misael no crime.

Segundo o advogado, Davi contou que Misael usou uma camisa para tentar tirar a vida. "Foi quando ele estava dormindo. O meu cliente acordou assustado. Disse, ainda, que Misael teria pedido aos guardas que o soltassem em qualquer local para ele se matar", explicou. Os dois envolvidos na morte da estudante estão dividindo a mesma cela desde segunda-feira (06/11), quando a prisão preventiva de ambos foi decretada. Joel informou que o cliente solicitou a transferência para outra cela. "Davi está com medo que uma possível morte do Misael possa cair em cima dele. Por isso o pedido", justificou. 

Souza é acusado de ter dado cobertura ao assassino confesso, que alegou ter planejado a morte de Raphaella após ser rejeitado pela menina. O homem dirigiu o carro que levou Misael à escola. Policiais militares detiveram ambos em flagrante, a aproximadamente 300 metros do colégio, após a execução da estudante.

Sobre as tentativas de suicídio dentro da unidade prisional de Alexânia, a delegada responsável pela investigação, Rafaela Azzi, negou o ocorrido. "Eu interroguei Misael hoje.  Em nenhum momento ele ou algum agente relatou uma situação dessa natureza", explicou.

No entanto, em depoimento para a delegada, o assassino já havia declarado a intenção de se matar após o crime. Na bolsa do jovem foi encontrada uma mistura de chumbinho e paracetamol, veneno que pretendia ingerir antes de ser flagrado pela polícia. 

Durante a audiência, ocorrida na terça-feira (7/11) um ferimento no olho esquerdo de Misael chamou a atenção. O suspeito negou ter sofrido agressão dentro da prisão. Segundo o juiz do Fórum da Comarca de Alexânia Leonardo Lopes dos Santos Bordini, magistrado que determinou a prisão preventiva dos réus, o atirador informou que havia escorregado no banheiro da cadeia. “Não posso dizer que houve agressão, pois ele negou, mas se achar que precisa ser apurado, irei instaurar um inquérito”, destaca.

Na tarde de terça, dezenas de pessoas se reuniram na calçada do Fórum para cobrar punição exemplar, em um protesto com cartazes e palavras de ódio. Elas chegaram a cercar o carro da polícia que trouxe e levou Misael. Algumas gritaram “lincha”, lincha”.

Raphaella foi morta com 11 tiros, na manhã de segunda-feira (6/11), dentro de uma escola em Alexânia, cidade no Entorno do Distrito Federal.