Má gestão do Prefeito Valdeto Ferreira, pode deixar milhares de niquelandenses sem transporte coletivo

A empresa São José do Tocantins anunciou que estará deixando de circular em algumas linhas a partir do dia 14, deste mês

Por Semaias Pereira 10/01/2018 - 20:12 hs
Foto: (reprodução Facebook)
Má gestão do Prefeito Valdeto Ferreira, pode deixar milhares de niquelandenses sem transporte coletivo
Má gestão de Valdeto Ferreira pode deixar milhares sem transporte coletivo

Para os moradores de Niquelândia, que dependem do transporte coletivo, o ano de 2017 parece ser ainda mais sofrido. O município goiano que fica a 300 km da capital do estado, é administrado pelo prefeito Valdeto Ferreira.

Considerado pela maioria da população como o pior prefeito de todos os tempos, o atual gestor do município, já demitiu centenas de servidores públicos, entre esses, comissionados, e aposentados que continuavam em plena atividade e aptidão para o trabalho.

Além de ser incapaz de atrair empresas e investidores para o município, o prefeito Valdeto Ferreira, formou sua equipe de governo com pessoas vindas de outras cidades do estado de Goiás, e até mesmo de outros estados, como é o caso de algumas pessoas vindas do estado do Maranhão, principalmente do município de PIO XII-MA, onde a primogênita do prefeito é denunciada pelo ministério publico maranhense por organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e falsificação de documentos.

O prefeito “mãos-sujas”, codinome que a população atribui ao atual gestor do município, não tem medido esforços para aumentar o sofrimento e dificultar a vida do bom cidadão niquelandense, alguns servidores, continuam com salários atrasados desde o mês de outubro passado, a saúde está um caos, e a um passo de ser interditado o hospital municipal, pelas más condições do prédio, e péssima qualidade nos serviços de saúde.

TRANSPORTE COLETIVO

A empresa São José do Tocantins, que há anos detém o monopólio do serviço de transporte coletivo na cidade, anunciou que estará deixando de circular em algumas linhas a partir do dia 14, deste mês. E sem condições de manter um dialogo sério com a direção da empresa e pouco disposto em resolver a questão o prefeito e a empresa São José do Tocantins, creditam todo o transtorno aos taxistas, chamados clandestinos e operam na cidade.

Nossa reportagem ouviu, na tarde de terça-feira, o senhor Antônio de Carlos Luiz, morador da cidade, e que necessita do transporte coletivo: “O transporte de taxi alternativo, tem sido uma benção, embora taxados por clandestinos, a grande maioria dos taxistas que operam na Avenida Brasil, fazem um trabalho, sério e eficiente, e  muito tem contribuído para os cidadãos que utilizam o serviço de transporte público”.

Fontes ouvidas pela nossa reportagem apontam que a intenção do gestor é ingressar também no ramo de transportes, por pessoas ligadas ao seu grupo político ou familiar. Enquanto isso a população, continuam a arcar com o altíssimo custo da pior administração publica da história do município.